!YABASTA!

Já Basta!

76,600 03/06/2009

Filed under: Reeducação Alimentar — Débora Oliveira @ 10:27

Não é muito, mas já é algo, né?

Sem muito por hoje. Muita correria no trabalho.

 

Quarta-feira, 04/03/2009 03/04/2009

Filed under: Reeducação Alimentar — Débora Oliveira @ 16:12

Dia 1º de abril (não é mentira) estarei de férias, então terei que caprichar esse mês, manter a boca controlada, investir no chá verde (nesse calor, quem bebe chá quente? chá verde gelado é um purgante…pior que café frio.r.s..), mandar bem na malhação, pra ver algum resultado.

Segunda feira, estava com 77,7. Hoje, estou com 76,9.  Não estou fazendo tudo certinho como deve ser, mas dei uma melhorada no cardápio. Quero ver se até terça-feira da semana que vem, eu tenha eliminado pelo menos 1 quilo.

Nos próximos posts, se tiver um tempinho, vou tentar continuar a série sobre motivação, que na verdade, estou contando a minha história, para de repente eu mesma parar, pensar, e analisar minha trajetória. E ao mesmo tempo, ter força, animo e coragem para não deixar degringolar, como diz a Beth . Vou tentar postar com mais frequencia, porque vir aqui e dar ‘satisfação’ do que ando fazendo, também é uma das coisas que me motiva, pois mostro a todos e principalmente a mim, que sim, eu posso e eu consigo. E vou conseguir.

 

Recomeço! 03/02/2009

Filed under: Reeducação Alimentar — Débora Oliveira @ 14:52

Mais uma vez, o recomeço!

Não engordei, mas sei que se tivesse me esforçado mais, com certeza teria obtido algum resultado. Esses últimos dois meses foram muito corridos, férias, viagens, aniversários, marido e crianças doentes. Muitos acontecimentos estressantes.

E quando temos crianças, as coisas tornam-se muito dificeis. Não tenho empregada, nem diarista. Por questões financeiras mesmo. Então, meu fim de semana é uma loucura, acordo cedo, e já vou fazendo as coisas,  preparo o café, coloco a roupa para lavar, faço mamadeira para as crianças, troco a roupa, tomo café, estendo a roupa, faço o almoço, e pumba, já é 12:00. Dou almoço para as crianças, dependendo do dia, dou banho, ponho pra dormir. Ai eu almoço, sempre sem muita opção, pela falta de tempo, acabo não caprichando no almoço,  então é aquela coisa básica, arroz, feijão e ‘mistura’ risos. Se a semana foi cansativa, nessa hora não resisto, se não tenho nada muito urgente pra fazer, acabo indo dormir também.

É dureza aguentar o tranco. Tive duas gestações seguidas, sendo que a segunda foi bem conturbada (chegava muito tarde em casa, muitos problemas no trabalho e em casa), fora que, criança pequena x barrigão, não dá certo, tá ai a Lu Brasil que não me deixa mentir. Quando a Sofia nasceu, roubaram nosso carro, e não tinha como mandar o Iaco para escola, imaginem um recém-nascido, com uma recém-parida e um menino de 1 ano e meio sozinhos. Não dava muito certo..rs…. Então, até o fim de 2008,  estava com um cansaço acumulado (não sei se isso existe). E agora, com a Sofia quase completando 2 anos, é que esse cansaço foi embora.

E ainda estou entrando (e me adaptando) nesse novo ritmo. Não estou acostumada a ter tanta disposição! Claro que toda essa onda de ânimo deve-se ao processo de emagrecimento, aos exercicios, e a alimentação, que deixou de ser totalmente desregrada. Comia dois pães franceses no café da manhã, seguidos de besteiras e mais besteiras, muito carboidrato no almoço, e dá-lhe mais pão á noite. E bolacha recheada, bolacha de maizena, bolacha cream-cracker. Comia por que gostava. Mas só hoje vejo como isso me deixava cansada, esgotada, literalmente. Não tinha ânimo para nada. Nem para me arrumar. Um sono terrível. Hoje sei que tudo era consequência do açucar (carboidrato=energia=açucar).

Até minha saúde melhorou. Estava com candidíase (ô doença chatinha), e tinha um fungo no pé, que não sarava por nada. Comecei a fazer um tratamento para esse fungo no pé, e juntando tratamento para o pé com alimentação com menos carboidrato, voilá! Adeus candidíase, adeus fungo no pé. Esse problema que eu tinha no pé, me atormentava há 3 anos. E nunca podia fazer o tratamento, porque ou estava amamentando, ou estava grávida, ou estava amamentando de novo. E ai, em outubro de 2008, tudo veio a calhar. O tratamento, a RA, a academia, tudo conspirando a meu favor. E hoje estou bem melhor! 

Mas confesso que perdi o foco. Tão pouco  tempo de RA, e já me sinto confortável. Talvez, porque sempre tive esse corpo que tenho, hoje estou com 77 quilos, três a mais do que normal, e que para mim, não faz tanta diferença.   Não faz diferença, por sempre foi assim. Mas mesmo não fazendo diferença, não estou satisfeita. Quero um corpo melhor, quero usar 42, quero ficar bem num jeans, quero usar uma blusinha M. Meu foco não é, e nunca será ser magrela, até porque meu tipo fisico não é esse. E confesso, gosto de comer. Não quero ser escrava da comida, mas muito menos escrava da magreza. E os dois últimos posts, que ainda vou continuar, sobre motivação, eram sobre isso. Saber o que nos motiva. O que nos leva a fazer uma dieta, o que nos leva a querer emagrecer. No meu caso, é tudo isso que escrevi acima. E acima de tudo, quero me sentir bem.

 

02/25/2009

Filed under: Reeducação Alimentar — Débora Oliveira @ 15:08

Turista de 25 anos é baleada na cabeça em assalto a quiosque em Peruíbe.

A administradora financeira Juliana Marques de Almeida, de 25 anos, foi baleada na cabeça na orla de Peruíbe, litoral sul de São Paulo, a 129 da capital paulista. Moradora de Mauá, na Grande São Paulo, a jovem estava com amigas no Quiosque 42, no Balneário Oásis, por volta das 2h, quando foi alvejada.

Segundo testemunhas, dois homens chegaram de moto ao quiosque, um deles armado com uma pistola calibre 38, e anunciaram o assalto. A dupla levou cerca de R$ 2 mil em dinheiro do estabelecimento e, em seguida, um dos bandidos efetuou dois disparos contra um cão da raça pitbull que estava dentro do quiosque.

O animal morreu na hora. Ao fugir, o rapaz armado disparou mais duas vezes, acertando Juliana na cabeça. Quando começou o tiroteio, os amigos de Juliana se desesperaram e resolveram correr em direção à casa onde estavam hospedados, que fica a 700 metros do local do crime.

– Quando chegaram lá é que deram falta de Juliana. Voltaram ao quiosque, mas ela já estava sendo resgatada – contou a mãe da jovem, Sandra Almeida.

Juliana foi levada para o Pronto-Socorro Municipal de Peruíbe e transferida para o Hospital Ana Costa, em Santos, onde passou por uma cirurgia neurológica que durou quatro horas. A bala permanece alojada na cabeça da jovem. Juliana está internada em estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), em coma induzido, se recuperando do procedimento cirúrgico.

A mãe de Juliana, que estava passando o Carnaval em Praia Grande, recebeu a notícia do ocorrido no meio da madrugada. Inconformada com o crime, ela contou que a filha tinha saído de Mauá no domingo pela manhã, um dia depois de comemorar seu aniversário de 25 anos.

– Ela foi sozinha, de carro, se encontrar com as amigas que estavam na casa de uma das meninas. Elas sempre ficam lá – contou a mãe, bastante abalada.

O pai da garota, Matheus de Almeida, não gosta de passar os fins de semana na casa de praia da família por medo da violência.

– Deixei de vir para o litoral justamente porque lia notícias de situações como essa. Sempre falava para as meninas tomarem cuidado, não ficarem até tarde na rua, com medo da ação de marginais”.

O caso foi registrado na Delegacia Sede de Peruíbe pelo delegado Renato Knap Ribeiro. Os criminosos são pardos, de cabelos e olhos pretos, aparentando ter entre 25 e 27 anos e 1,70 metro de altura. Eles ainda não foram identificados e continuam foragidos.

 

A Juliana é minha amiga. Ainda que distante. Estou chocada.

 

QUAL É A SUA MOTIVAÇÃO (II) 02/12/2009

Filed under: Reeducação Alimentar — Débora Oliveira @ 12:29

Ao contrário de muitas pessoas, não engordei o dobro quando parei de tomar o remedio. De certa forma, a compulsão que eu tinha passou.

Em casa, sempre passamos muitas dificuldades, bastante necessidade, mas Graças ao nosso bom Deus, nunca passamos fome. Mas eram tempos bicudos, e minha mãe não podia comprar biscoitos recheados, salgadinhos e essas guloseimas que toda criança/adolescente gosta. Então quando comecei a trabalhar (com 16 anos), sempre que sobreva um pouco de dinheirinho (dinheirinho mesmo, no meu 1º emprego, ganhava só comissão, e meu salario não era mais do que R$100,00…fora a passagem, que pagava do meu bolso), me empanturrava de besteiras. De verdade. Sabe, de comer um pacote de bolacha recheada de uma vez. De comer 10 balas daquelas butter toffes, de uma vez. Somando isso ao sedentarismo, eu continuava engordando. Não tinha acesso a revistas, internet e informações, como muitas meninas têm hoje.

Mas depois desse regime maluco que fiz, acabei entendendo bem qual era o esquema, que era se alimentar direito. Nunca tinha ouvido falar de Reeducação Alimentar. Sempre que lia aquelas revistas tipo Boa Forma, começava a ler as dietas, e sempre achei aqui inantigivel para mim. Peito de peru e presunto no café da manhã? Iogurte e leite desnatado? No way!!! Fora da realidade ever..rs…Mas com o regime, comia o que tinha, o que dava pra comer, e dava certo: 1 pão de manhã (ao invés de 2 ou 3), 1 fruta no lanche da manhã, almoço com muita salada, outra fruta do fim da tarde e depois jantar, com muita salada (alface com tomate bem temperada).

Voltei a comer guloseimas, mas não exagerava tanto quanto antes. Comia sim, chocolate, bala, bolacha, mas tudo moderadamente. A compulsão tinha dado uma trégua.

Depois, com 18 anos e o grito de liberdade, passava simplesmente o DIA TODO fora. Trabalhava durante o dia, e a noite ficava nos rolês por ai, num dia tomando uma cervejinha num boteco, outro dia batendo perna no shopping, no outro andando de skate, no outro fofocando com as amigas, e fim de semana, sair para dançar, lógico, era sagrado.  Sempre tinha algo pra fazer e comer, definitivamente, não era o principal na minha vida.

Com 19 anos, conheci meu marido, e começamos a namorar. As saídas diminuiram (quando você é solteira, vai-se para qualquer lugar, as baladas que eu ia, geralmente mulher não pagava, ou eu conhecia o dono da festa, e quase nunca gastava),  ele estava desempregado, e passamos a curtir outras coisas, ficavamos muito tempo juntos. Claro que engordei, mas pouca coisa, acho que 3 ou 4 quilos, nada assustador, afinal, minhas roupas ainda me serviam..rs..

Com 20 me casei, e começaram as cobranças. Meu marido é do tipo atlético, sabem? Foi jogador de basquete na adolescencia, e também surfou durante um tempo. E mesmo quando parou de jogar em times, sempre estava em alguma quadra treinando. E nunca liguei muito para exercicios. Andava horrores, não tinha carro, eramos duros(!), talvez por isso não engoradava tanto, porque comer, eu comia. Não compulsivamente, mas comia digamos assim, bem. Com 6 meses de casamento, engravidei.

Ai, que alivio eu senti. Juro. Podia comer sem ser repreendida agora. Morria de medo de engordar muito. Não vou dizer que a minha alimentação era um primor, mas também não era  a la Britney Spears…comia moderadamente. E engordei só 15kg, 10 perdidos no parto. Tive uma anemia séria, e emagreci mas um pouco, mas agora podia me esconder atras da amamentação, afinal quem amamenta, tem que se alimentar bem para produzir bastante leite. Às vezes, comia 3 pães de uma vez.  Mas a minha licença-maternidade estava no fim, meu filho quase não mamava mais no peito (só a noite), e o fantasma do emagrecimento estava surgindo em minha cabeça. Dessa vez, a pressão era minha. Estava uns 5 quilos acima do peso, e aquilo me perturbava, fazia anos que não estava tão acima do peso assim.  Isso foi em julho.

Em outubro, outra gravidez. Confesso que o alivio dessa vez foi muito maior. Pensava: Poxa, só daqui 7 meses vou pensar nisso de novo (quando descobri que estava grávida, já estava de 2 meses). Minha filha nasceu, dessa vez não teve anemia. Tinha engordado mais ou menos os 15 kg da gestação anterior, e 10kg perdidos no parto (meus dois partos foram normais). 

Ainda escondida atras da amamentação, recuperei pelo menos uns 6 quilos dos 10 perdidos, com uma alimentação totalmente desregrada,  falta de exercicios, e o pior de tudo, falta de auto-estima…

Tô voltando pro tronco. Amanhã tem mais!

 

Qual é a sua motivação? 02/11/2009

Filed under: Reeducação Alimentar — Débora Oliveira @ 09:54

Ontem estava passeando pela blogosfera, como sempre meio perdida, e fui parar no blog da Patricia Roberta, e lá no post do dia 03/02/09, onde ela comenta sobre a questão de como manter o peso, e como é dificil estar motivado a perder peso.

Temos inúmeros motivos para perder peso. Mas para você, qual é o principal? Saúde? Marido? Filhos? Família? Todos os anteriores? E você? Onde fica nisso tudo? Você quer perder peso por você ou por outra/outras pessoas?

Comecei a analisar minha ‘longa’ trajetória. Tenho 24 anos, quase 25, sou casada há 4, tenho dois filhos. Minha mãe conta que nasci bem magrinha, e que quando criança, apesar de comer bem, sempre fui normal (nem magra, nem gorda).  Entre 11 e 12 anos, não era gorda, era assim, forte. Já usava 42, não tinha barriga. Com 12 anos, menstruei. Tive alguns problemas familiares bem sérios, e partir dai, desandei a engordar.

Não sei quanto tinha de altura, nem quanto pesava. Meus seios eram grandes, e um pouco desprorpocionais ao meu corpo, o que me rendeu o apelido de ‘Vaca Mimosa’, que eu lógico, odiava. Só me deu conta do meu tamanho, quando comprei uma calça jeans nº 46, com 14 ou 15 anos.  E segui assim, até meus 17, 18 anos.  Talvez por nunca ter sofrido preconceito com relação ao peso, até porque minhas neuras eram outras, tinha um apelidinho detestável na escola (não era ‘Vaca Mimosa’, prefiro não comentar),  e nunca aparentei o peso que tinha, sempre fui ‘grandona’ (tenho quadril e ombro largo) . Ou seja, sempre estive acima do peso, mas pra mim, nunca foi algo que me incomodou. Às vezes ficava chateada, claro, afinal, não tinha um corpo bacana para ir pra praia ou pra piscina, usar biquini, ou as roupinhas da moda, mas não ligava muito pra isso não.

Quando comecei a trabalhar, era a época da moda ‘surfistinha’, não curtia muito, gostava mesmo de moda skate, mas uma roupa ou outra me agradava, conhecia o pessoal das lojas de surf e skate, e ficava babando pelas roupas (que de G não tinham nada).  Ai resolvi ir no endocrinologista, pedir uma orientação, uma ajuda. Eu tinha consciência de que me alimentava mal, não fazia exercicios, e era óbvio que era por isso que estava gorda.

Esse endocrinologista era até engraçado.  Não usava a balança da sala dele. E lógico que me passou uma ‘fórmula’ que era só para tirar a ansiedade. Cai no conto do vigário. Não sei quantos quilos eu perdi, mas acredito que quase uns 10. A consequência: estava trabalhando, e comecei a passar muito mal, estava com tontura e fraqueza, o pessoal falava pra eu ir almoçar, só que eu não sentia fome, e por não senti-la, achava que não era fome. Resolvi almoçar para ver se melhorava, e surpresa, na primeira garfada, já estava me sentindo melhor. Mesmo assim, continuei com o remedio. E depois que ele acabou, não voltei mais no médico, e acabei deixando pra lá esse negóciode regime.

Amanhã eu continuo, que aqui no trampo o chicote tá estralando, e começo de mês eu sempre fico no tronco…

Bjos!

 

02/03/2009

Filed under: Reeducação Alimentar — Débora Oliveira @ 12:34

Olá queridos!

Sem novidades por essa semana.

Fui para a praia semana passada. A viagem toda foi bem legal. Não descansei, afinal, com duas crianças é impossível, mas foi muito bom para desestressar e ‘desligar’ o modo ‘fast’ em que eu vivo.  As crianças adoraram. No primeiro dia, a Sofia se divertiu muito, mas no segundo dia ficou com medo. O Iaco se esbaldou nos dois dias, e até ‘surfou’, e segundo ele ‘eu se afundei’..rs.rs.rs..

Como fui viajar na correria, a semana passada inteira foi bem desorganizada, e para ‘ajudar’, no começo da semana meu marido ficou com virose, ficou muito mal, teve diarréia, dores pelo corpo e febre, ficamos das 8 da noite até a 1/2 noite e pouco no hospital, e pra ajudar, no dia seguinte, eu fiquei mal…Não foi tanto quanto ele, mas o suficiente para me deixar baqueada por uns dois dias, e na sexta, foi a ‘vez’ da Sofia, tive que sair correndo do trabalho paraz buscá-la na escola. Mas agora todos estamos bem.

A RA ainda está dificil engatar. Como é dificil recomeçar, meu Deus.

Comprei um caderno lindo pra anotar o que eu como. Mas sempre deixo pra depois e acabo não anotando nada. Por conta dessa onda de virose, até o professor da academia ficou ruim, e não fui pra academia na semana passada, na terça por causa do meu marido, na quinta por causa do professor. Fora a quantidade de aniversários! Semana passada, minha amiga, um colega de trabalho e meu filho, e ontem, meu marido! Dá-lhe bolo de aniversário!

E hoje, que vergonha, comi dois pedaços de bolo floresta negra…

De qualquer forma, não ganhei peso. Apesar das extravagâncias, não comi muito. Comi o que não devia. Isso é ruim, e só eu sei o quanto isso é ruim, pois os efeitos colaterais, quem sofre sou eu.  Mas aos pouquinhos, vou entrando nos eixos.

É como a Lu Francesa disse outro dia: como é dificil deixar de comer besteiras. Quando a gente para, nem sente falta. Mas quando abre excessão, às vezes por pura vontade, às vezes por alguma necessidade, ai você dá espaço e pronto, como é dificil deixar as besteiras de lado.

Mas eu acredito que esse mês, conseguirei me organizar melhor. Minha rotina já está voltando ao normal, e acredito que conseguirei frequentar a academia normalmente. Então, bola pra frente!

Hoje vou para a academia, e apesar do deslize, não vou desanimar! Ás vezes não tenho animo pra vir aqui escrever, pode parecer estranho, afinal não faz tanto tempo que eu blogo, mas quando não tenho nada importante a acrescentrar, acho melhor ficar quietinha. E, como acesso a internet só do trabalho, tem semanas que realmente são muito complicadas, então por isso peço desculpas a todos que vêem aqui, e não encontram atualizações. E peço desculpas e também a compreensão de todos os blogueiros, procuro visitar e deixar recadinhos para todos, não só os que deixam recadinhos aqui, mas esses últimos dias têem sido realmente dificeis. Vou tentar melhorar!

Ah, e alguém sabe da Débi Elis? Faz um tempão que ela não atualiza o blog, e ela sempre atualiza com frequencia…Se tiverem notícias, me avisem, por favor!

Uma ótima semana para todos.

E vamos dietar!!